Curso de Illustrator CS6 com o Lula Rocha (Metapix) – PUC-Rio

Oi gente!

Estou fazendo esse post aqui porque muitos de vocês me perguntam sobre cursos na área de estamparia e eu tenho uma dica muito muito muito boa para dar pro pessoal do Rio de Janeiro!

image

O Lula Rocha, criador do site Metapix – e super colaborador aqui do blog -, vai ministrar um curso de Illustrator CS6 na PUC-Rio, através do CCE (Coordenação Central de Extensão). Ah, apesar de ser na PUC, para participar do curso não é necessário ser aluno ou ex-aluno!

Me desculpem pela dica assim tão em cima da hora mas eu não consegui postar mais cedo! Fiquem atentos pois as vagas são limitadas e as inscrições só vão até o dia 24 de setembro, terça-feira agora! Quem se interessar, corre para se inscrever para não ficar de fora! Mais informações em bit.ly/curso_illustrator_cs6 ou ligando para 0800 970 9556.

Recomendo muito esse curso pois o Illustrator é uma das ferramentas mais poderosas do mercado para a criação de estampas e, sinceramente, o Lula é um dos professores que mais dominam o assunto, além de ter uma didática excelente, possuir um ótimo material de aula para os alunos e ser super gente boa!

Como sei que questões como horário, duração e valores são muito importantes, tomei a liberdade de colocar aqui uma screenshot do site com essas informações para vocês verem mais rápido:

image

Eu sei que muitos de nós que já trabalhamos diariamente com esses softwares somos autodidatas (leia-se: aprendemos na marra! rs.) e conseguimos nos virar bem com o programa, mas é impressionante como realmente conhecer a ferramenta, sua interface e atalhos, faz com que a nossa produtividade e a qualidade do nosso trabalho aumentem drasticamente! 

Para quem não tem muita intimidade com o Illustrator então, esse curso é perfeito! Tudo que vai ser ensinado servirá para que vocês consigam criar desenhos, fotos vetorizadas, paletas de cor, texturas e outros recursos que podem (e devem!) ser utilizados, futuramente, na criação de estampas!

Muito do que eu sei de Illustrator hoje eu devo ao Lula e ao seu site Metapix e, portanto, recomendo de coração – e também de olhos fechados – esse curso! Tenho certeza que quem fizer vai amar!

Não deixem de visitar a página do curso no site do CCE, clicando nesse link: bit.ly/curso_illustrator_cs6. Lá vocês podem conferir outras informações como o objetivo do curso, programa, carga horária, etc.

Espero que vocês tenham gostado da dica!

Beijinhos!

Tutorial – Carimbos geométricos

Oi gente!

Mais um tutorial no ar e dessa vez é para todo mundo colocar a mão na massa e se sujar de tinta! Vocês estão lembrados de umas fotos que eu postei no Instagram e no Facebook mostrando alguns carimbos geométricos que eu fiz? Pois esse é o tema do post de hoje!

image

Esses carimbos são super rápidos e fáceis de se fazer. O ideal, na verdade, seria utilizarmos materiais mais resistentes para a base – como madeira ou acrílico – mas, para este tutorial, escolhi usar papel paraná, que é um material bastante acessível e prático de se trabalhar.

O ponto positivo de se trabalhar com papel paraná é que ele é fácil de cortar e podemos encontrar em praticamente qualquer papelaria ou até mesmo em fundos de blocos de papel que temos em casa. O lado negativo é que, com ele, não poderemos lavar os carimbos, pois o paraná poderá ficar molhado e se estragar. É claro que podemos dar um jeitinho, mas não é tão prático quanto um carimbo com base de madeira, por exemplo.

Bom, vamos à lista de materiais para criar os carimbos!
image

  • Base de corte – para você não cortar a sua mesa rs.
  • EVA – procure a maior espessura que você conseguir! Se o EVA for muito fininho, quando colocamos tinta no carimbo, corremos o risco de pintar também a base. O meu tem 5mm de espessura.
  • Cola “Tek Bond” – gostei muito dessa cola, é uma espécie de Super Bonder (portanto cuidado com os dedos!), mas vocês também podem usar cola de isopor.
  • Bisturi ou Estilete (recomendo a marca Olfa)- para cortes mais precisos.
  • Tesoura – para cortes retos e simples.
  • Papel paraná – para a base.
  • Lápis – para traçar as formas que vamos cortar.
  • Régua.

Ok, agora vamos à montagem dos carimbos. Como estes são carimbos com formas geométricas simples, podemos inclusive cortar o EVA com a tesoura. Antes de desenhar, lembre-se que, como estamos fazendo um carimbo, a forma será “espelhada”, ou seja, se você quer uma forma complexa, terá que desenhá-la espelhada para que ela fiquei “direito” após ser carimbada. Trace com um lápis no EVA o desenho que você quer cortar e, corte com uma tesoura ou com um estilete e o auxílio de uma régua.

Coloque o EVA recortado em cima de um papel paraná e crie uma base para ele, o mais rente possível. Isso vai ajudar na hora de carimbarmos pois como a base não é transparente, se deixarmos o fundo muito largo não vamos saber direito onde estamos carimbando. Com algumas gotas de Tek Bond (ou uma cola para isopor), cole o EVA no paraná e espere alguns segundos para secar. Não sei como funciona com a cola de isopor, mas a Tek Bond seca quase que instantaneamente!

Feito isso, vamos pintar! Abaixo, o resto dos materiais:
image

Agora, vamos aos materiais para pintar os carimbos (e depois “carimbá-los” rs.)

  • Batedor – super aconselho que vocês pintem os carimbos com um batedor ao invés do pincel normal. O batedor nada mais é do que uma esponjinha com um cabo de madeira que custa algo em torno de uns 8, 10 reais. Com ele, colocamos uma quantidade suficiente de tinta no carimbo e, dessa forma, o carimbo não irá “escorregar” quando for pressionado contra o papel ou tecido.
  • Pincel – para colocar a tinta no batedor (ou pintar diretamente o carimbo, se vocês preferirem)
  • Tinta para tecido – escolhi essas tintas pois são as que eu mais tenho aqui em casa e também porque eu gosto de carimbar/estampar tecidos! Elas também são super fáceis de se limpar, saem facilmente com água então limpamos carimbo, pincel e batedor bem rapidinho. Cada potinho custa em torno de R$2,50.

Pronto! Com esses passos super simples vocês podem criar carimbos geométricos (ou outros motivos!) e sair por aí carimbando tecidos, sketchbooks e criando novas estampas! Adoro esse efeito “handmade” dos carimbos e acho que eles são bons para sairmos da rotina do computador e fazermos algo com as nossas próprias mãos!

Gostaram? Espero que sim!
Beijinhos e até o próximo post!

Tutorial: Desenho cego!

Oi gente!

Antes de tudo, me desculpem pela ausência. Essas últimas duas semanas foram super corridas para mim, mas por um bom motivo: trabalho! Rs.

O post de hoje vai falar de uma técnica muito interessante! Vocês conhecem o Desenho cego?

image

Eu aprendi essa técnica recentemente, na aula da queridíssima professora Dani Brum (www.danielabrum.com), durante uma aula da Pós-Graduação que eu curso em Design de Estampas, do SENAI-CETIQT. Gostaria de fazer uma pequena pausa para falar que as aulas dela foram o máximo! Criamos texturas, desenhos cegos, colagens, carimbos… ninguém lá queria que tivesse acabado! Rs. Aconselho muito que vocês deem uma olhada no portfólio dela e conheçam mais do seu trabalho, que é incrível!! :) Ah, e além de super talentosa, ela também é um amooor de pessoa!

Bom, mas vamos ao desenho cego! Como ele funciona?
É muito simples! Escolhemos uma imagem como referência e tentamos desenhá-la sem olhar para o papel, apenas fixando o nosso olhar nessa imagem. Não é cego porque temos que tampar os olhos, ok? Rs. A idéia é que a gente não veja o que está fazendo, mas que nos concentremos na imagem para não ficarmos totalmente sem referência!

Quanto à imagem, não aconselho que vocês escolham nada muito complexo, especialmente no início, pois vocês vão ver que quando o desenho não é muito contínuo, fica difícil tirar o lápis do papel e colocá-lo novamente onde queremos continuar o desenho. 

Abaixo, a imagem na qual me baseei para desenhar os caranguejos, uma estampa fofíssima da Rachel Novak, do blog Shore Society:

image

Sim, é verdade que, às vezes, os resultados são bem ruins mas, em outras, surpreendentemente bons! O legal é que o traço sai bem diferente do que o que costumamos fazer, então é bom para dar uma variada! Abaixo um exemplo ruim e um bom que eu obtive:

imageimage
Deu pra perceber a questão do traço contínuo com as imagens acima? No resultado “ruim”, eu não consegui fechar o caranguejo nem posicionar direito as patinhas e os olhos dele! Rs. Temos que pensar como vamos desenhar ao invés de simplesmente começar a rabiscar. Vale planejar o desenho, usar o dedo como guia, mas não pode olhar, hein? Rs.

Depois que fiz vários testes (figura abaixo), selecionei três, levei para mesa de luz e redesenhei com caneta nanquim.

image

Como pretendia (e vou!) usar esses desenhos para criar uma estampa, fiz alguns pequenos ajustes como, por exemplo, não deixar o traço do corpo “dentro” dos braços ou aproximar um pouco os pézinhos do corpo.

Pintei o desenho com marcadores Copic deixando as cores passarem dos limites do contorno e criando algumas sugestões de sombra e luz, mas nada muito “bem acabado”. Abaixo vocês podem ver o resultado final:

image

E aí, o que acharam? Quem vai tentar? 

No começo é meio difícil mesmo, mas não desistam de cara! Eu prometo que é legal! Rs.

Espero que vocês tenham gostado! Ah, se produzirem algum desenho com essas dicas me mostrem, ok? Vou adorar ver!!

Beijinhos!